Buscar
  • Vivi Yamaguti

Mais um episódio de Racismo: O que houve com o respeito?


O episódio de racismo ocorrido dias atrás em um condomínio de alto padrão em Goiânia evidencia e traz importantes reflexões sobre duas formas completamente diferentes de agir quando nossa vulnerabilidade se põe à mostra. Vulnerabilidade esta que todos temos, e que, portanto, deve nos aproximar enquanto seres humanos, e não nos afastar.

No episódio, o morador, que estava sem o controle remoto para entrar no condomínio, foi solicitado pela funcionária para que se identificasse para que ela pudesse, então, liberar sua entrada. Procedimento padrão e absolutamente correto, que deve ser aplicado a qualquer pessoa, visando a segurança de todos os condôminos.


O morador, talvez por se sentir exposto, desrespeitado ou, até mesmo, ferido em seus direitos enquanto morador, reagiu de forma extremamente agressiva e desrespeitosa. A funcionária gravou alguns trechos da agressão, durante os quais demonstrou calma, agindo com cordialidade e profissionalismo, mesmo sendo ofendida e ameaçada de forma incessante. A atitude do morador caracteriza crime de injúria racial, pelo qual ele terá de responder, uma vez que a ofendeu referindo-se à sua origem racial e classe social e não à sua conduta profissional. Mesmo que este tivesse sido o foco, claramente esta não é a forma de se conduzir uma situação com a qual não se está de acordo.


Quando pensamos nos Direitos Humanos, estes são universais e protegem a dignidade de todos os seres humanos regendo o modo como vivemos, individualmente e em sociedade. São princípios básicos inerentes à dignidade de toda pessoa, não havendo um direito "menor" e não existindo, portanto, hierarquia de direitos humanos, nem discriminação de qualquer tipo, como raça, gênero, idade, religião, nacionalidade ou condição social.

Não sendo o ponto central da reflexão aqui proposta, mas sendo algo muito importante a ser lembrado, tratava-se de um homem ameaçando uma mulher, o que nos leva a reflexões relacionadas à violência contra a mulher decorrente da cultura do machismo na qual fomos criados e temos aprendido a transformar e evitar que se perpetue da mesma forma que já não cabe considerando a evolução sócio-político-econômica e cultural do mundo.


Independentemente deste ponto e considerando todos os temas englobados nas discussões sobre Diversidade e Inclusão, o contexto principal que deve ser levado em consideração é o respeito. Sempre e acima de tudo. Respeito que deve estar presente primordialmente em qualquer relação ou situação e que, em tantos momentos, parece ter se perdido. O direito de expressão, muitas vezes, parece se confundir com o direito de desrespeitar o próximo, atacá-lo, humilhá-lo para convencê-lo de que seu ponto de vista é errôneo. Todas as pessoas são diferentes, com criações, opiniões e pontos de vista diversos, cada uma com suas fragilidades e fortalezas e é somente por meio dessa compreensão que se torna possível o exercício da empatia e a abertura a um diálogo saudável, no qual cada pessoa esteja aberta a expor seus pontos, ser ouvida, compreendida e também compreender o outro, tornando possível haver um campo positivo e fértil, no qual ambas saiam diferentes da forma como entraram. Podem manter ou modificar sua opinião, isso não é o que importa, mas, sim, a consciência de que seu ponto de vista não é e nem nunca será o único e o absolutamente correto e que todos devem ser, no mínimo, respeitados. Essa é a riqueza da diversidade, representada na individualidade de cada pessoa, que deve ser valorizada de forma genuína para que possamos ter um mundo mais inclusivo, mais harmônico, mais humano.

101 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo