top of page
Buscar
  • Foto do escritorJorge Barros

Liderança Inclusiva: Como desenvolvê-la na prática e o que a empresa ganha com isso

Atualizado: 30 de nov. de 2022


O crescimento na busca por Diversidade e Inclusão por parte das empresas, no Brasil e no mundo, não é sem razão. A atual realidade de trabalho remoto, somada ao aumento da presença de grupos minorizados nos postos de trabalho (mulheres, negros, dentre outros), fez com que a presença do Líder Inclusivo se tornasse ainda mais imprescindível às organizações. Mais do que nunca, as pessoas estão vulneráveis e precisam se sentir bem dentro de suas próprias peles, ao invés de se sentirem inadequadas por serem diferentes ou estarem em condições e ambientes diferentes de seus colegas. Existem motivos de sobra para que cada vez mais organizações se empenhem em tornar seus espaços mais diversos e inclusivos, pois os benefícios são muitos, tanto para a empresa quanto para as lideranças das áreas e do negócio.

BENEFÍCIOS DA D&I PARA O NEGÓCIO:

A empresa ganha em muitos aspectos: O sentimento de inclusão faz com que os níveis de engajamento dos empregados sejam continuamente elevados. Isto gera o aumento da colaboração entre as pessoas e, consequentemente, dos índices de satisfação de colaboradores, gerando reflexos externamente, pois os comportamentos impactam na experiência do cliente. Diversidade e inclusão promovem, respectivamente, mais criatividade e mais inovação ao negócio. A diversidade aumenta a capacidade inovativa pela promoção do pensamento diverso, conseguindo, assim, responder de diferentes formas a problemas complexos. Já a inclusão, ou sentimento de pertencimento, promove a autenticidade e espontaneidade, essenciais ao ambiente criativo. Diversidade potencializa, também, o valor da marca. Marcas com mais força de diversidade atraem melhores talentos que cada vez mais escolhem trabalhar em empresas compatíveis com sua essência e seus valores. O mesmo ocorre com consumidores, que tendem a se aproximar de marcas nas quais enxergam coerência. Além disso, marcas diversas são mais propensas a receberem aporte de investidores.

As lideranças das empresas também ganham quando são inclusivas. Colaboradores que se sentem incluídos são mais propensos a apoiar iniciativas de seus líderes e de suas áreas, bem como de executarem aquilo que lhes é designado com melhor predisposição. E, mais do que apenas executar, estes colaboradores, comprovadamente, dão mais ideias e contribuem para que os processos e resultados de sua área sejam potencializados. Então, como desenvolver líderes inclusivos(as)?

O PERFIL DO LÍDER INCLUSIVO:

A liderança verdadeiramente inclusiva tem um olhar atento às necessidades específicas e diferentes das pessoas que compõem seu time, mesmo que estejam distantes fisicamente, e acolhem suas dores. Se o líder é aquele capaz de influenciar e inspirar pessoas, o Líder Inclusivo (ou a Líder Inclusiva) é aquele(a) que inspira seus colaboradores a serem autênticos, ou seja, que estimula o desejo, nas pessoas, de serem quem são (e como são). Ele também estimula outras pessoas a serem inclusivas. Assim, vai naturalmente formando outros líderes inclusivos, independentemente de possuírem ou não um cargo de liderança formal. Vai gerando uma corrente de pessoas capazes de inspirar, continuamente, outras pessoas a também serem autênticas.

Já que é valioso estimular a autenticidade do time, o Líder Inclusivo também precisa ser autêntico. Por isto, não há, aqui, a pretensão de apresentar uma cartilha com regras ou 'guia do líder inclusivo'. Cada líder deve ser do seu jeito essencial sem desprezar o potencial de sua singularidade, mas podemos mencionar algumas características que comumente contribuem para uma liderança inclusiva: Uma delas é o comprometimento, tanto de tempo quanto de energia dedicados à promoção de inclusão. As pessoas percebem e se engajam quando notam que há um comprometimento genuíno da liderança, não apenas pro-forma. A humildade também costuma ser apreciada, tanto para admitir erros, quanto para reconhecer seus vieses inconscientes ou pensamentos arraigados, demonstrando, em ações, a disposição em mudar e evoluir. A escuta também é fundamental para uma liderança inclusiva, pois de nada adianta ter um time diverso com ideias brilhantes se o líder não souber acolher e valorizar opiniões, sugestões e críticas. Por isto, cria espaços seguros, evitando julgamentos.

LIDERANÇA INCLUSIVA NA PRÁTICA - COMO? (O que fazer e o que evitar): A base da liderança inclusiva é ser aberta, transparente e confiável, pois os colaboradores se sentem mais satisfeitos em ambientes nos quais percebem senso de justiça e equidade. O que pode dificultar seu processo são algumas crenças que foram enraizadas em nossa criação e em antigos modelos de liderança e que moldaram nossos comportamentos e atitudes, mas é possível driblá-las: Mesmo sabendo que fórmula mágica e cartilha com padrões de conduta não combinam com diversidade e autenticidade, podemos dizer que existem algumas "regras de ouro".

Três coisas a fazer:

1) Promova um ambiente seguro: Líderes Inclusivos devem criar ambientes de segurança para todas as pessoas. E como isso é possível? Uma das bases fundamentais é a crença na coletividade de intenções positivas. Neste sentido, a liderança inclusiva deve também assumir intenção positiva, tanto para si, quanto para as outras pessoas, acreditando em suas motivações e intenções. Para isto, na prática, é importante estar vigilante para que, ao emergirem os acontecimentos, consiga procurar compreender antes de julgar.

2) Conheça seus próprios vieses: É inútil negar a existência dos vieses inconscientes. Todas as pessoas possuem. O melhor a se fazer é identificar quais são os seus, reconhecê-los e trazer para a consciência. Desta forma, é possível atentar-se de forma mais efetiva para que você os controle ao invés de se deixar controlar por seus vieses ao tomar decisões.

3) Desenvolva-se em competências essenciais: Buscar se autodesenvolver em algumas competências é um caminho poderosíssimo para o sucesso da inclusão. Segundo a Great Place to Work e outros institutos de pesquisa, algumas das competências mais desejadas por colaboradores em seus líderes - e que contribuem para o sentimento de inclusão - são: Autenticidade e Transparência, Adaptabilidade, Responsabilidade (inclusive social e coletiva), Autoconhecimento e Habilidade com Pessoas. Você pode se desenvolver de forma autodidata ou buscando apoio de instituições e consultorias especializadas ou, ainda, desfrutando internamente de iniciativas promovidas pela área de RH de sua empresa. Mas não basta buscar pelos comportamentos adequados. É preciso também fugir de algumas armadilhas. Estas não se referem a erros óbvios que, nitidamente, são inadequados: ser rude, inflexível e não valorizar as pessoas. Armadilhas são aquelas coisas que fazemos justamente por achar que é o correto, mas, na verdade, levam à direção oposta. Veja três armadilhas comuns:

Três armadilhas a evitar:

1) Tratar todas as pessoas igual: Não caia nessa! Esse é um erro comum quando se trata de Diversidade e Inclusão. Na ânsia da busca por igualdade, alguns líderes acreditam que o correto é tratar todas as pessoas da mesma forma. É preciso lembrar que Diversidade foca justamente nas individualidades, na singularidade e autenticidade de cada pessoa. E ninguém se motiva da mesma maneira ou pelos mesmos disparadores. É preciso reconhecer as necessidades e potencialidades de cada colaborador. Claro que a igualdade deve ser sempre valorizada, mas atrelada ao conceito de equidade, onde fornecemos recursos ou estímulos diferentes para pessoas diferentes. Os diferentes devem ser providos de forma desigual em suas diferentes necessidades para garantir a igualdade de acesso e condições.

2) Estar plenamente preparado para o tema D&I: Muitos líderes, quando percebem o movimento de D&I na empresa, acham que precisam saber tudo sobre o tema antes de se exporem às pessoas. Isto porque, culturalmente, fomos ensinados que líderes devem ter todas as respostas. É preciso lembrar que, embora o tema 'Diversidade' esteja presente nas empresas há algumas décadas, ganhou força recentemente em todo o mundo e, muito do que vivemos na prática, está sendo construído agora, a várias mãos. O líder que se aprisionar na tentativa de saber tudo sobre diversidade antes de agir (por medo de errar), estará travado e, por consequência, travando o processo. Lógico que é importantíssimo se preparar e estar sempre pesquisando, estudando e buscando acertar, mas o Líder Inclusivo é capaz de admitir o que não sabe e demonstra querer aprender e entender. E os colaboradores também gostam quando líderes apresentam vulnerabilidades porque mostram que valorizam o saber das pessoas e não se sentem ameaçados ao reconhecer a inteligência de outros e admitir que estes estão certos. Faça isso e seja grato aos ensinamentos e opiniões de outras pessoas.

3) Não “estragar o clima”: Talvez a maior armadilha de todas seja acreditar que ambiente inclusivo é aquele onde o clima está sempre "good vibes", no qual não existe insatisfação. Líderes presos nesta armadilha evitam feedbacks, conversas difíceis, reclamações e conflitos. Diversidade prevê divergências. O ambiente verdadeiramente inclusivo não é aquele isento de problemas. Antes, é o lugar onde os problemas podem ser postos à mesa, onde as pessoas sentem confiança o suficiente para apresentarem suas insatisfações porque o líder inclusivo, além de saber acolher sentimentos de seu time, consegue também, de forma adequada, dar feedbacks verdadeiros, tanto para valorizar quanto para ajustar ou aprimorar comportamentos de seus liderados.

Que tal sair do discurso e entrar na prática? Todo mundo tem falado sobre Liderança Inclusiva, mas qual o perfil real dessa liderança e como desenvolvê-la na prática. Aqui reúno dicas do que fazer (e do que não fazer) pra ser uma Liderança realmente Inclusiva. Vou adorar se você puder, não apenas ler, mas contribuir também deixando suas dicas e recomendações. Bora construir todo mundo junto!


134 visualizações0 comentário

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page